top of page
banneriptu_2024Prancheta-1.png
  • Info Serrinha e Região

Saiba como não cair em ‘fake news’

Investigue a origem das mensagens que recebe em aplicativos e redes sociais antes de sair compartilhando.


Todo mundo pode ser um investigador e descobrir coisas importantes, contribuindo para o desenvolvimento da sociedade, sabia? Não? Uma das formas de se tornar um investigador é ajudar a combater as ‘fake news’ no país em diversas áreas. Como fazer? É isso que vamos contar agora!


Antes, porém, precisamos explicar algumas coisas sobre o termo ‘fake news’ que é usado geralmente para denominações que vão muito além da tradução literal de ‘notícias falsas’. Elas podem ser classificadas como desinformação, informação incorreta ou má informação, mas, independente do nome, o consenso é que provocam vários prejuízos na vida em sociedade.


‘Fake news’ são mensagens falsas, que, embora pareçam verdadeiras, são produzidas com a intenção de influenciar pessoas em prol de interesses específicos, principalmente políticos. Circulam em um efeito cascata, se desdobrando em várias informações, e ainda podem usar de forma indevida dados reais e programas que executam tarefas repetidas vezes, a fim de impulsionar o compartilhamento das informações via internet.


É por isso que os internautas precisam agir como investigadores ao receberem qualquer tipo de informação para não serem vítimas de ‘fake news’. Precisamos ficar em alerta, conteúdos falsos circulam com maior velocidade que notícias verdadeiras!


O primeiro passo é pegar uma lupa como se fosse um detetive e avaliar a fonte, o site e o autor do conteúdo. Muitos sites conhecidos por publicarem ‘fake news’ têm nomes parecidos com sites de notícias. É preciso avaliar com cuidado o endereço e verificar se o site é confiável. Vale, também, analisar se outros conteúdos dessa página são duvidosos.


O segundo passo é observar como esse texto foi escrito, pois sites que divulgam informações duvidosas costumam apresentar erros de português, de formatação, letras em caixa alta e usam de forma exagerada alguns sinais de pontuação.


Terceiro passo: Observe a data da publicação da matéria. É recente? Foi publicada há muito tempo? Veja se é relevante e se foi atualizada há pouco tempo.


Quarto passo: Leia mais do que o título e o subtítulo. É importante que você leia a notícia até o fim, pois, muitas vezes, o título não condiz com o texto da matéria.


Quinto passo: Precisa de mais informações para ter certeza da veracidade do conteúdo? Pesquise em outros sites, principalmente, se receber uma ‘notícia bombástica’, e desconfie quando não for divulgada em outros locais.


Sexto passo: Fique atento, pois o site pode ser de humor e usar da ironia para fazer piada com alguma informação.


Sétimo passo: Analisou tudo e ainda está em dúvida? Verifique a informação em sites de checagem de notícias, formados por especialistas e indicados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para ajudar a combater a desinformação.


Oitavo passo: Só compartilhe a informação após checar que ela é realmente verdadeira.


Quer denunciar mensagens e notícias falsas em redes sociais? Facebook, Instagram, Twitter e o aplicativo WhatsApp dão aos usuários a possibilidade de denunciar em suas plataformas notícias falsas propagadas em seus canais.


Fonte:TRE-BA


Comments


119144---BNI-728x90px-NOVA-BAHIA-SECOM-2024.png
bottom of page