top of page
banneriptu_2024Prancheta-1.png
  • Thiego Souza

Qualidade de Vida: saiba como a Psiquiatria pode auxiliar crianças com Autismo

Confira um bate-papo com Dr. Maike Araújo, onde é abordado o autismo, e como a psiquiatria é importante no tratamento.


O autismo é um transtorno que demanda uma abordagem integrada, e a psiquiatria desempenha um papel crucial nesse cenário. O Info Serrinha e Região conversou com Dr. Maike Araújo para explorar a interconexão entre a psiquiatria e o autismo, destacando a importância de compreender as comorbidades, os sinais comportamentais e as abordagens terapêuticas.


"A Psiquiatria e o autismo estão intimamente ligados, isso porque além do tratamento do autismo, nós também realizamos os tratamentos das comorbidades, que do autismo é a regra, ou seja, a grande maioria ds crianças com autismo apresentam comorbidade psiquiatrica, seja ela um transtorno de ansiedade, depressão, principalmente na adolescência, TOC, TDAH, TOD, entre outros, por isso é importante que seu filho autista seja acompanhado por um psiquiatra para avaliar a presença de alguma comorbidade e tratar da maneira adequada".


O médico apontou alguns sinais comuns em crianças com espectro autista, relatando que geralmente elas "evitam o contato visual, ou não o sustentam por muito tempo, além disso essas crianças apresentam hipersensibilidade tanto auditiva quanto sensorial, por isso muitas são sensíveis a barulhos como liquidificadores, barulho de moto, bombas, entre outros. Andar da ponta dos pés é um sinal de autismo por conta da sensibilidade tátil, já outras crianças têm resistências com roupas, abraços, carinhos, etc".



Sobre a dificuldade na interação social e na comunicação social, o profissional destacou a importância de profissionais compreenderem esses aspectos para um diagnóstico preciso e tratamento eficaz, incluindo orientações à família na busca por terapias adequadas. "A dificuldade da interação social e da comunicação social é um dos principais critérios diagnósticos para o transtorno do aspectro autista. É importante que o profissional que acompanha o paciente compreenda esses aspectos para diagnosticar da forma correta e tratar da maneira correta, e também orientar a família na busca pelas terapias mais adequadas para o caso do paciente para que assim que ela possa evoluir para ter uma interação social com mais qualidade".


De acordo com Dr. Maike, o tratamento para o autismo vai além do uso de medicação e precisa seguir com integração. Cuidar da saúde mental das crianças é importante e precisa ser personalizado, pois o transtorno pode apresentar grau e sintomas diferentes.


"O tratamento para o autismo não envolve apenas o uso de remédios, envolve principalmente as terapias com psicólogos, psicopedagogos, fonos devido ao atraso de fala que é importante nesse transtorno, além de terapeutas ocupacionais, mas acima de tudo é importante que o médico avalie a necessidade de cada paciente, pois é importante para determinar quais as terapias são necessárias para a melhora do quadro da criança. O uso de medicação para crianças autistas é necessário em alguns casos, principalmente quando a criança está em um nível de agitação muito grande, a ponto dos profissionais que o acompanham não conseguir realizar intervenções, além de episódios de agressividade ou auto-agressividade como por exemplo bater a cabeça na parede ou no chão, principalmente quando contrariado. A medicação costuma melhorar a impulsividade que é muito frequente nas crianças autistas, mas nem toda criança necessita do uso de medicação".



A abordagem integrada entre psiquiatria, terapias e o apoio familiar é essencial para proporcionar uma qualidade de vida melhor às crianças autistas. Compreender as nuances do transtorno e personalizar o tratamento são passos fundamentais rumo ao progresso e à integração social. "É importante o apoio da família no sentido de buscar essas terapias e realizá-las da forma que nós (profissionais) orientamos, afim de buscar uma melhora nos aspectos sociais da criança autista".


Cuide da saúde mental do seu filho! Ao notar sintomas ou perceber coportamentos que afetam as habilidades sociais da criança e adolescente, procure por Maike Araujo em uma das unidades de atedimento: Nonato, Acolher e Citto, em Serrinha, ou Humana´Mente, em Conceição do Coité.

Commentaires


119144---BNI-728x90px-NOVA-BAHIA-SECOM-2024.png
bottom of page