top of page
banner_728X90 (1).png
  • Info Serrinha e Região

Diretor da PRF irá responder por improbidade administrativa por uso indevido do cargo

Silvinei Vasques utilizou o cargo para pedir votos, além de permitir ações ilegais no dia da votação no 2º turno.



Após descumprir determinação judicial e autorizar que agentes da PRF realizassem blitz de maneira ilegal no 2º turno das eleições, focando os esforços no Nordeste, e por ter utilizado o cargo para fazer campanha para o ainda presidente Jair Bolsonaro, o diretor-geral da PRF, Silvinei Vasques se tornou réu e vai responder por acusação de improbidade administrativa por uso indevido do cargo.


O pedido foi feito pelo Ministério Público Federal e acatado pela Justiça Federal do Rio de Janeiro.


Segundo o MPF, Silvinei utilizou o cargo para fazer campanha para o ainda presidente Jair Bolsonaro. "A vinculação constante de mensagens e falas em eventos oficiais, sempre associando a própria pessoa do requerido à imagem da instituição PRF e concomitantemente à imagem do chefe do Poder Executivo federal e candidato à reeleição para o mesmo cargo, denotam a intenção clara de promover, ainda que por subterfúgios ou mal disfarçadas sobreposição de imagens, verdadeira propaganda político-partidária e promoção pessoal de autoridade com fins eleitorais".


Ainda de acordo com o MPF, a ação de Silvinei Vasques contribuiu para “o confronto instaurado durante o deslocamento de eleitores no dia do segundo turno das eleições e após divulgação do resultado”.

119144---BNI-728x90px-NOVA-BAHIA-SECOM-2024.png
bottom of page